Tomar. Fábrica Platex fecha e avança com despedimento coletivo

Deputados de Tomar mostram-se contra o encerramento

0 331

- Publicidade -

Alerta é dado por Paulo Macedo, deputado da CDU, a fábrica IFM/Platex iniciou o processo de insolvência e vai encerrar. Serão 42 os trabalhadores despedidos na sequência do encerramento, um despedimento coletivo que fará aumentar a situação de desemprego em Tomar.

Paulo Macedo (CDU) revelou em Assembleia Municipal que “A administração da Platex vai despedir coletivamente 42 trabalhadores da empresa, e a fábrica vai encerrar. A fábrica dedicava-se à produção de painéis de fibra de madeira, conhecidos pela marca Platex em Portugal, única do género no país e que era ainda uma das maiores da Europa”. O deputado reconhece a qualidade dos serviços da empresa e a importância que esta tinha para a região e até mesmo para o país, já que era a única a produzir este tipo de material a nível nacional, “tinha condições para ter atividade industrial viável” refere Paulo.

“O fecho desta empresa vai provocar, mais uma vez, o aumento do desemprego no concelho de Tomar e por sua vez vai levar ao substancial agravamento nas condições de vida da população e da atividade económica do concelho. São 42 trabalhadores que vão para o desemprego, a maioria de Tomar, alguns ainda jovens e, com isto, se vai pôr em causa o vasto número de postos de trabalho indiretos que também a fábrica gerava além dos variados serviços que eram prestados por ela. Resulta também em perda significativa para a economia local e para o país”, palavras do representante da CDU em Tomar.

Também o PS já se tinha mostrado preocupado com a situação da empresa, Hugo Costa assumiu o compromisso de averiguar: “Julgo que emprego é sempre importante no concelho e o desenvolvimento económico também se faz com as empresas. Independentemente da atual situação económico-financeira do país, tem consequências graves. O encerramento de empresas deve ser evitado a todo o custo”.

Maria Luz Lopes do Bloco de Esquerda, considera “lamentável” a insolvência anunciada e o despedimento coletivo, reconhecendo que esta situação afeta muitas famílias em Tomar e na região devido ao aumento do desemprego, defende ainda que este desfecho se deve a “questões de gestão”.

Da parte do PSD, o vereador Luís Ramos, diz que “A IFM/Platex cessa atividade este mês por via de processo de insolvência que está em curso no Tribunal Judicial de Santarém. Não podemos deixar de lamentar o encerramento de mais uma empresa de Tomar, esta com 60 anos de história, e são 42 trabalhadores diretos que se perdem, mas é sobretudo Tomar que fica mais pobre. Este encerramento também tem impacto na fileira da floresta no nosso concelho e região”.

Já a presidente da câmara Anabela Freitas revela que “Aguardamos reunião com a massa insolvente, queremos fazer o mesmo processo que fizemos com os trabalhadores da Fábrica do Prado, em que recebemos os trabalhadores e houve um conjunto que até gostaria de manter a fábrica a funcionar e que tinha projetos. Situação que acompanhámos junto do AICEP à procura de investidores. É isso que estamos na disponibilidade de fazer com a IFM, sendo certo que ainda não ocorreu mais recentemente nenhuma reunião com o sindicato. E queremos também falar com o sindicato dos trabalhadores”.

De relembrar que a fábrica Platex já tinha passado por situações de crise anteriores que levaram ao despedimento ou entrada em lay-off de vários trabalhadores, esta crise parece ter sido fatal e o desfecho é o que muitos temiam, com o encerramento Tomar perde uma grande empresa e vê a situação de desemprego na região aumentar.

- Publicidade -

- Publicidade -

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.