ÚLTIMA HORA: Investigação da RTP no Convento de Cristo é “Pouco Rigorosa”

0
- Publicidade -
TomarTV

O Ministério Publico diz que a investigação do Sexta às 9 foi “pouco rigorosa”.

O Ministério Público arquivou o inquérito a alegados danos provocados no Convento de Cristo, em Tomar, durante filmagens, apropriação de valores de bilheteira e uso de funcionários para serviços pessoais da diretora, denunciados numa reportagem que considerou “pouco rigorosa”.

No despacho, datado do passado dia 02 e a que a Lusa teve hoje acesso, o Ministério Público (MP) da Comarca de Santarém afirma que os autos “tiveram origem numa reportagem televisiva pouco rigorosa (tal como decidiu a Entidade Reguladora para a Comunicação Social), que denunciou factos falsos (mormente na parte dos danos estruturais no Convento) e outros que, após exaustiva prova, não foram minimamente indiciados, nomeadamente no tocante às alegadas apropriações de bilheteiras ou aproveitamentos pessoais por parte da diretora do Convento”.

- Publicidade -

O inquérito foi aberto na sequência de uma reportagem do programa Sexta às 9, da RTP1, exibida no dia 02 de junho de 2017, a qual denunciava, nomeadamente, um alegado conluio entre funcionários para apropriação de valores da bilheteira, “lesando o Estado há vários anos em avultadas quantias”.

A reportagem referia que na época alta “seria fácil, a qualquer funcionário, ‘levar 2.000 ou 3.000 euros para casa’” e que “os funcionários tinham envelopes para receber o dinheiro apropriado e outro para entregar no Convento”.

Contudo, as buscas e inquirições realizadas na sequência dessa denúncia encontraram “falhas” no sistema informático e verificaram que as disparidades verificadas foram regularizadas.

“Logo, não houve ‘desfalque’ nas contas da bilheteira”, afirma o despacho do MP, sublinhando que os erros encontrados foram “diminutos”, com possível origem “em pequenos erros de cálculo”, não sendo diferenças que “exteriorizem apropriações”, o que é igualmente “contrariado” pelos aumentos das receitas registados no período em causa (de maio de 2015 a junho de 2017).

LUSA

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here